Tags

, , ,

Segundo os dicionários Encontro é o ato de chegar até à pessoa ou coisa que se encontra.

E um dos grandes objetivos da Rede Globo com o novo programa Encontro com Fátima Bernardes é encontrar a tão almejada e festejada classe “C” brasileira! Não sou eu quem diz isso, são estudiosos e críticos da TV, basta uma “espiadinha” pela rede!

Mas o que realmente a Globo tem encontrado são números do Ibope (volto a afirmar que tenho restrições quanto a estas pesquisas/medições) que não alcançam a expectativa da emissora. Culpa do quê?

Não sou nenhum estudioso da TV, apesar de ler e ouvir algumas informações sobre o assunto. Mas acredito que posso “meter a colher” neste debate (as observações acima são feitas pautadas em poucos momentos de programa que assisti na terça ou quarta-feira, não me recordo):

1) A Globo não se importou em perder o “ibope” da TV Globinho, ciente de que em muitos lares brasileiros, até mesmo na periferia, a TV paga está inserida. Mas quem, claramente, se beneficiou disso foi o SBT. O que no fundo também é bom para a Globo, pois deixou a Record em terceiro no tal “ibope”;

2) O formato do programa Encontro com Fátima Bernardes se não for novo é diferente para o horário considerando os demais programas apresentados na TV aberta, pela manhã. Tudo que é novo causa estranhamento e um pouco de resistência;

3) Fátima Bernardes ainda está com pouca desenvoltura. Mas só um pouco mais de tempo se saberá se é nervosismo/inexperiência ou se não tem capacidade para apresentar um programa;

4) Os temas. A produção precisa escolher e selecionar melhor os temas. Eles serão o chamariz para alavancar o tal “ibope”;

5) Entendo que o formato do programa é bom, talvez aquilo que se busca na TV moderna e atual. Precisa, evidentemente, encontrar formas de utilizar os mecanismos da TV Digital com participação interativa e ativa do telespectador. Contudo, os temas são fracos, nem sempre atuais. A produção precisa debater temas atuais que são notícias. Se falar de política pode não interessar ao público da classe “C”, quem sabe debater sobre as desapropriações que estão ocorrendo para a realização das obras para a Copa? Os bueiros que explodem no RJ? A violência e a insegurança pública em SP e em todo o país? O que não pode é quando falar das notícias atuais, como a que assisti, falando dos depoimentos na CPMI do Cachoeira, em tal dia, logo fazerem uma ligação com uma casa flutuante e passarem para o próximo assunto!

6) Ou seja, enquanto continuarem a tratar o povo de forma boba um formato de programa que teria tudo para dar certo pode ser desperdiçado. E depois dirão que o programa não deu certo por causa do seu formato!

Minha dica, portanto, é utilizar os seguintes significados de Encontro: choque, colisão ou, ainda, compensação de contas.

Anúncios