Tags

, , , , , , , ,

Me deparei, hoje, com a seguinte notícia:

Alemanha constrói no Brasil um centro esportivo exclusivo para sua seleção“, pela edição brasileira do El País.

Curioso, é que pelo GloboEsporte.com a manchete foi dada da seguinte forma: “Alemanha escolhe Bahia como sede e vai bancar construção de complexo“.

Percebeu a sutil diferença?

Quando na segunda notícia fala em “vai bancar” e no corpo do texto consta: “Segundo o jornal “Bild”, a entidade vai bancar a construção de um centro de treinamento na região.” A primeira afirma que a “Alemanha constrói“, ou seja: “o campo, que já está sendo construído na localidade de Santo André, no estado de Bahia (…)“.

Mas quem sabe foi problema de tradução, não é? O site fonte das duas matérias foi o Bild.

E o que isso tem a ver com sorte?

Bem, neste caso, são dois eventuais tipos de sorte. Considerando que vão construir o complexo, os alemães estão com sorte de após o sorteio da Copa, realizado no último dia 06, fechar o contrato de aquisição do terreno e contar com a sorte de conseguir todas as licenças necessárias e terminar a construção de “13 casas, com 65 quartos e uma “atmosfera de vila”, um campo de futebol e um centro de imprensa“, com previsão de término para março/abril do ano que vem.

Agora, no caso do complexo já estar sendo construído há mais tempo (como espaço destinado para a pré temporada), que baita sorte teve a Alemanha, que jogará a primeira fase da Copa, perto de sua concentração, ou seja: Salvador, Fortaleza e Recife.

Algumas outras seleções tiveram sorte similar ou parecida com a dos alemães.

Como é a situação da seleção Argentina. Porém, neste caso, independente do local que os argentinos escolherem para sua concentração, seus torcedores é que terão o privilégio da comodidade de acompanhar a sua seleção nos jogos no Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Porto Alegre. Se acharem Minas Gerais muito longe, tudo bem, pois não será “eventual falta” de torcida que deve atrapalhar a Argentina contra o Irã.

A sorte da Bélgica, então, nem se fala. Vai ser a seleção que menos vai viajar na primeira fase (se quiser conferir, em 2011 escrevi um post sobre quantos quilômetros serão percorridos pelas seleções da Copa 2014?). Ficará apenas pelo sudeste: Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo; além de estar num grupo teoricamente mais tranquilo.

E analisando sobre esta ótica de distância a ser percorrida, outras seleções cabeças de chave, ou não, também foram agraciadas.

No grupo do Brasil, por exemplo, o México viajará apenas 1.337 quilômetros, ficando pelo Nordeste, nas cidades de Natal, Fortaleza e Recife. Já no grupo C, a seleção colombiana percorrerá 1849 quilômetros, em praticamente linha reta, entre as cidades de Belo Horizonte, Brasília e Cuiabá (só precisa tomar cuidado para não ser eliminada logo na primeira fase e seguir o caminho de volta para Bogotá).

Anúncios