Não entendeu o título? Daqui a pouco eu explico!

Uma viagem no tempo:

Primeiro quero te convidar a retroceder um pouco no tempo. Lá em 11/12/2004.

Neste dia, o Avaí viajou até a capital cearense para enfrentar o Fortaleza, onde jogava por um empate para se classificar para a série A de 2005. Você deve lembrar que houve problema com contratos de alguns jogadores. E que o time não segurou o ímpeto do time da casa, perdendo de 2 a 0 e permanecendo na série B.

De volta para o futuro:

O futuro daquele passado, pode ainda ser passado para o dia de hoje.

E pararemos no dia 06/05/2015. O time do Avaí estava para entrar no estádio para enfrentar o rival Figueirense em partida válida pela Copa do Brasil. O primeiro de dois confrontos. Antes de entrar no gramado o grupo de jogadores se reuniu no túnel e alguém disse algo mais ou menos assim: “Fomos para a mer.. juntos e da lá saímos juntos [lembrando do quadrangular do rebaixamento no campeonato catarinense]. Vamos continuar unidos mostrando a nossa força!”

Retrocedamos de novo no tempo:

Olhe! Paramos no dia 15/07/2009. O técnico Silas muda o esquema do time e passa a jogar no 3-5-2 e neste dia o Avaí na lanterna, “com três derrotas consecutivas (duas delas em casa), sem a dupla de zaga titular e com seus atacantes sem  marcar há 45 dias“, como bem lembra o site Memória Avaiana, o time venceu o Goiás e iniciou a melhor campanha de um clube catarinense na série A.

De volta para o futuro 2:

Daquele futuro que ainda é passado, você sabe.

E nem vou te precisar a data. O mês foi outubro. O ano? 2013! Naquele mês algo ocorreu no vestiário (e/ou concentração) avaiano. É provável que nunca se saiba o que realmente aconteceu. Somente a consequência: um provável acesso para a série A foi aparentemente descartado.

Retornando ao presente:

Não há crise! E saiba que vão criá-la. Você ouvirá muito sobre ela nos rádios, nos sites, nos jornais e na TV. Não estou falando do sistema político / econômico brasileiro (quem sabe até poderia, mas não é este o momento).

Mas o sinal de alerta foi ligado. Ser porteiro da Zona pode não ter sido motivo de incômodo para um certo time. Porém, o Avaí hão de incomodar.

E é mais do que isso. Nós precisamos ficar incomodados. Os jogadores precisam se indignar! A diretoria também! Inclusive, e principalmente, o treinador!

E por isso, o título deste texto: O 8Com do Avaí!

O 8Com(com timoneiro). É uma das formas de disputa no remo, onde num mesmo barco há um remo para cada um dos oito atletas, além do timoneiro.

Como está sendo remado o barco avaiano? Há sincronia entre os remadores? Há respeito e obediência às ordens do timoneiro? Quem realmente é o timoneiro?

Qual o papel dos jogadores, do treinador, do responsável pelo preparo físico, da diretoria, do gerente de futebol, do departamento médico, da torcida, do marketing, do/a nutricionista? E tantos outros …

Se o barco for remado com vigor, responsabilidade e eficiência será possível colher bons frutos neste campeonato tão igual. Afinal, tirando o primeiro e os três últimos, não vejo muita diferença entre os demais times. (Detalhe: O Avaí perdeu para o Joinville e o Vasco)

E em nossa viagem no tempo observamos exemplos de remadas que deram certo e outras não. Tudo por pura sintonia ou a falta dela! Ou, ainda, correção de rota, quiçá a frequência da remada!

Ainda não é o fim:

Mas ao Avaí falta amadurecer!

E o futuro?:

O futuro é incerto. E isso é lógico, não precisava ser dito.

Mas, definido o timoneiro (ou esclarecido quem seja) alguns pontos precisam ser observados:

1) O time do Avaí chuta pouco no gol adversário. Não treina? Os jogadores não são incentivados e/ou cobrados? O chute pode e também deve ser feito de fora da área. Falta força e/ou explosão muscular? Coragem? Ousadia?

2) Kleina precisa rever suas convicções com determinados atletas. E isso serve para todos os setores do campo.

3) Recentemente, o treinador deixou claro que não recebe interferências na sua escalação. Mas é ele quem indica (ou participa da) a contratação de jogadores? [Sobre este ponto, um dia poderemos ampliar o debate sobre escalações]. Afinal, se o Camacho foi indicado por ele ou teve o seu aval, por que não jogou hoje?

O Avaí não pode se dar ao luxo de contratar um jogador para ficar no banco de reservas. O time não precisa de atletas para compor elenco. Precisa de jogadores que venham para ser titulares.

4) O marketing do Avaí marcou dois golaços nas últimas semanas. Espero que o fato do Camacho não ter jogado hoje, não tenha sido para criar marketing para a próxima partida (afinal, uma vitória contra o Joinville atrairia muito mais torcedores para a Ressacada). Que tenha sido apenas mais uma daquelas convicções do Kleina que precisam ser revistas: jogador contratado pode e deve jogar!

5) Será que o Marquinhos, quando recuperado, também precisará esperar a oportunidade para ser escalado?

6) Por fim, se o Avaí realmente quer contratar um atacante que seja alguém que esteja num bom momento. Portanto, segue a lista dos artilheiros da série B:

O Pimentinha, do Sampaio Corrêa também parece ser uma boa opção. Ou um atacante argentino, com raça e muita vontade.

Mas, sobretudo, quem for contratado tem que vir para jogar. Nada de ficar no banco. Se não render e precisar ir para a reserva depois, é outra história!

Por isso a importância de saber quem é o timoneiro. Além de ser preciso que saia do barco quem não ouve o timoneiro e que não está remando pelo clube!

Anúncios